Dead Kennedys está vindo para o Brasil e no fim de semana a banda esteve entre os assuntos mais comentados por conta de um pôster cheio de críticas ao momento atual do nosso país. O cartaz seria usado para anunciar a turnê nacional da banda punk americana e foi criado pelo artista Cristiano Suarez.

A crítica do pôster cabe bastante dentro do discurso político antifascista dos integrantes da Dead Kennedys, mas parece que eles não curtiram muito a repercussão do material. Algumas horas depois do barulho na internet, um anúncio na página oficial da banda declarou que a divulgação da imagem foi realizada sem autorização dos integrantes e ele não reflete um posicionamento expressado pela banda. Ao menos não sobre o Brasil.

Ao mesmo tempo em que a banda se retratava, o autor da arte se manifestou em suas redes sociais. Cristiano Suarez ressaltou que a arte é oficial sim e foi postada no perfil oficial da banda, mas foi removida por conta da repercussão.

O movimento punk sempre foi sinônimo de atitude, subversão e sarcasmo, com músicas cheias de críticas. Em diversos países o punk nasceu como uma forma de ataque ao sistema, por conta de problemas com o governo e insatisfação. Dead Kennedys não foge disso. O problema é que os fãs não curtiram muito essa recuada dos integrantes da banda e a imagem que ficou é a de que o medo da repercussão negativa foi maior que a vontade de expressar insatisfação. Sim, é muito importante lembrar que eles informaram que a imagem NÃO FOI autorizada por eles (ao menos é o que dizem), mas ainda assim, o conteúdo reflete algo defendido pelo movimento. Então para que recuar assim?

O momento político e social do Brasil anda tão conturbado que até alguns de nossos “roqueiros” revolucionários hoje se denominam soldados do presidente. Nossos heróis da subversão hoje agem como bots de twitter que levantam hashtags e acusam de comunista quem não é conservador. Ver o recuo de uma banda com a luta contra o sistema cravada em sua história pode ser assustador para um povo fragilizado.

A imagem foi apagada das redes sociais da banda, mas claro que segue circulando por aí. E o artista, claro, recebendo ataques dos cidadãos de bem do nosso país. O baile segue, mas com uma roda punk mais tímida, sem saber o que dançar.