A futura maior cientista da Marvel é interpretada por uma atriz antivacina. Climão, né? Mais uma vez, Letitia Wright, a Shuri de Pantera Negra, ganhou destaque na mídia por um motivo péssimo. Ela é contra vacinação, mesmo em tempos de pandemia global. Mais que isso, de acordo com o The Hollywood Reporter, Letitia é uma das estrelas que mais propaga argumentos conspiracionistas sobre a eficácia das vacinas contra a COVID-19.  Aliás, pelo que estão falando ela tem usado o Set de Pantera Negra: Wakanda Forever para fazer essa propaganda negacionista. 

O movimento antivacina é um dos grandes problemas da luta contra a COVID-19 nos Estados Unidos. Entre os motivos mais BABACAS apontados pelo público, estão a rejeição ao governo atual, incerteza sobre a veracidade das informações ou a simples negligência mesmo.

Um exemplo: No estado da Louisiana, ao sul do país, apenas 47% dos adultos haviam tomado a segunda dose até agosto. Enquanto vacinas estavam estragando no armazenamento, o governo promoveu diversas ações para incentivar o povo a se vacinar, mas nada chegou a fazer muito efeito. Assim como por aqui, as correntes de internet se tornaram fontes mais confiáveis que os noticiários para uma parte da população. 

E como fica a Disney no meio disso tudo? 

Por enquanto a principal ação da Disney para promover a segurança é garantir um sistema de isolamento entre os artistas através de pulseirinhas de identificação. Os imunizados ganharão uma pulseira indicativa da sua situação, enquanto quem não provar que se vacinou vai ficar sem. Essa é uma forma de “pressionar” os artistas, afinal, a falta da vacina sinaliza risco. 

Isso pode se tornar um problema pela ironia da situação. Com a morte de Tony Stark, a Marvel ficou carente de grandes gênios e tudo indica que a Shuri poderia assumir esse posto. O quão irônico seria ter uma atriz antivacina nessa posição? Ainda mais num set cheio de pessoas com posicionamentos fortes.

Sobre a COVID-19: Um levantamento do G1 mostra que 58% dos municípios do Brasil  não registraram nenhuma morte por covid-19 em setembro. Nosso maior indicie desde maio de 2020! Apesar de todos os problemas que tivemos, a grande maioria dos brasileiros aderiu bem às campanhas de vacinação e isso já está refletindo nos números de infecções. Em 43% dos municípios do país foi registrada uma queda na média diária de mortes.

Nos Estados Unidos, onde a campanha de vacinação está estagnada, os números de contágio subiram e apesar da grande quantidade de imunizantes disponíveis, apenas cerca de 60% da população está totalmente vacinada.  O país passou as 700.000 mortes no dia último dia 1º, com uma média de 1000 mortes por dia.