Lá por agosto, me apareceu como principal sugestão da Netflix a série “Twin Peaks”. Comecei a assistir: gente falando de trás para frente, imagens antigas misturadas com novas, anão e gigante, outros personagens e cenários atípicos…  Me esculhambou a cabeça e fiquei com vontade de ir atrás. Eis que descubro que a produção era a continuação de uma aclamada série do comecinho dos anos 90. Como que eu desconhecia todo esse universo?!

Cabe comentar que o sucesso, conquistado em outros locais, não ocorreu inicialmente no Brasil: transmitida pela Rede Globo, sempre aos domingos, logo após o Fantástico, teve baixa audiência. Ainda, a emissora reformatava todos os episódios para fazê-los caberem no espaço da grade, cortando vários minutos de cada um e eliminando trechos que a emissora considerava detalhes. Logo, sem tais “detalhes”, se entendia ainda menos!

É quase impossível comentar sobre três temporadas e um filme, sem largar quaisquer spoilers. Mas vou apenas apresentar essa história TÃO fantástica!

Twin Peaks (1ª temporada) –  Abril a maio de 1990

Criada pelo maluco David Lynch, mostra as investigações do brutal assassinato da rainha do baile de formatura, Laura Palmer, numa pequena cidade chamada Twin Peaks. O agente federal, Dale Cooper, é encarregado do caso. Mas por que um agente do FBI é chamado para resolver o crime contra uma jovem de um lugarzinho interiorano? Na verdade, não se trata de um assassinato comum e de tema já tão explorado por aí, mas é cheio de segredos brutais e eventos surreais. O detetive conhece cidadãos misteriosos, é atormentado por pesadelos que beiram o grotesco, assim como descobre novos crimes.

Essa temporada foi composta por apenas 8 episódios. Afinal, deve ter sido um “experimento” para ver se a história engrenava.

Twin Peaks (2ª temporada) – Setembro de 1990 a junho de 1991

A busca pelo assassino da popular Laura Palmer se vira contra o agente Dale Cooper. Após ser  misteriosamente baleado ao voltar ao hotel em que estava hospedado, ele sobrevive ao ataque e recebe algumas estranhas pistas de um gigante sobre o assassinato de Laura. Um incêndio no moinho da cidade deixa vários moradores – e possíveis suspeitos – desaparecidos. E o diário secreto de Laura Palmer é descoberto, contendo detalhes bem curiosos.

Essa temporada foi composta por 22 episódios. Revelou o assassino de Laura Palmer, como também apresentou novos mistérios (e horrores) na pequena cidade onde nada é o que parece ser. A segunda metade da temporada vira mais do mesmo, mas mais para o final recupera totalmente o fôlego inicial.

Filme Twin Peaks: Os últimos dias de Laura Palmer (1992)

O agente do FBI Chester Desmond investiga as circunstâncias misteriosas no assassinato de uma garota chamada Teresa Banks, mas desaparece sem deixar rastros enquanto segue uma pista. Enquanto isso, na pequena cidade de Twin Peaks, a jovem Laura Palmer vive os últimos sete dias antes da hora de seu assassinato, retratado no seriado Twin Peaks.

O enredo do filme antecede à linha temporal das duas temporadas iniciais da série. Ao contrário do que se pode pensar, ele é fundamental para compreender as produções de 1990 e 1991 e, sobretudo, a terceira temporada! Além disso, é repleto de cenas mais pesadas, as quais mostram bastante a perturbação da protagonista.

Twin Peaks: O retorno (3ª temporada) – 2017

Preso em um mundo alternativo por 25 anos, o agente do FBI Dale Cooper finalmente vê uma oportunidade para escapar e enfrentar sua cópia maligna que segue à solta, enquanto novos mistérios e dramas se desenvolvem tanto na pequena Twin Peaks, quanto em grandes cidades como Nova York e Las Vegas.

A terceira temporada cumpre a promessa de retorno após os 25 anos, possui 18 episódios e dá sequência a história do filme e da série. Além do mais, é aqui que temos a gênese desse louco universo, o nascimento do bem e do mal – e que arte belíssima para representar essa criação!

A atuação está incomparavelmente melhor, com velhos e novos personagens: a essência não se perdeu, mas se renovou lindamente. Além disso, torna-se necessária uma 4ª temporada, afinal essa última encerrou desgraçando a minha mente…

Para saber mais:

O diário secreto de Laura Palmer (1990)

 

Lançado originalmente pela Globo Livros em 1991, com 272 páginas, O diário secreto de Laura Palmer ultrapassou as telas e se tornou um ícone entre os adolescentes dos anos 1990, ainda sendo objeto de culto entre os jovens deste início de milênio. Até hoje, poucos autores tiveram a ousadia de Jennifer Lynch (filha de David Lynch), que sem dogmatismos e meias-verdades, fala sobre adolescência, sexo, drogas e morte.

 

Twin Peaks: Arquivos e memórias (2017)

 

Editora Darkside, 320 páginas. Obra chega às livrarias em Limited Edition (capa dura), e reúne depoimentos dos criadores, dos atores e de membros da equipe, além de fotos inéditas da produção e curiosidades incríveis. Como todo o livro da Darkside, a edição é linda e vem com um marcador de páginas sensacional.

 

 

A história secreta de Twin Peaks (2017)

Editora Companhia das Letras, 368 páginas. A obra, escrita numa narrativa inventiva e nada convencional, apresenta um dossiê compilado por um Arquivista desconhecido e enviado pelo FBI para a agente TP, com o intuito de descobrir a identidade por trás da montagem dessa documentação. Com recortes de jornal, trechos de diários, informações secretas e arquivos do FBI, o livro conta com informações valiosas para que o leitor possa ir fundo e saber mais do que ninguém sobre episódios e personagens da série. E, quem sabe, desvendar tudo o que está por trás dos misteriosos acontecimentos nessa icônica cidade do noroeste americano. Ainda não tenho esse livro, já que o preço é um pouco alto…